Crítica do Filme Chappie, Review da Zuêra!

postado em: Cultura, Filmes | 0

A vida ultimamente tem me provado que as coisas mais despretensiosas tendem a surpreender magicamente, quanto menos você espera de algo mais pode se deliciar com as suas surpresas. Esse é o sentimento de Chappie, entrei no cinema cética e sai completamente encantada.

 

Crítica do Filme Chappie, Review da Zuêra!

A ideia de que uma inteligencia artificial seria gerada na Africa do Sul parece bem surreal no mundo de hoje, mas é exatamente a exploração positiva deste lugar com uma cultura tão diferenciada, geralmente mostrada com lentes tristes, que faz Chappie tão especial.

O diretor Neill Blomkamp conseguiu abordar diversos temas sociais, religiosos e científicos dentro da pauta. Se você como eu pensou que Distrito 9 seria o auge da sua carreira, aconselho que observe melhor a percepção que ele escolhe mostrar nos seus filmes, e vai perceber que além de toda ação, perfeição em 3D e exploração cultural, existe um sentimentalismo profundo, tão humano que só poderia ser mostrado em forma de Robô.

 

Die Antwoord Who?

Crítica do Filme Chappie, Review da Zuêra!

A trilha sonora do filme é tão perfeita que só poderia fazer parte de uma banda real. Junto com a musica a Die Antwoord trouxe sua direção de arte impecável, sem a qual Chappie não sobreviveria, sim os atores principais são uma banda.

Infelizmente descobri somente depois de gravar que eles eram de fato uma banda real, mas após esta descoberta toda estética do filme passa para outra dimensão do sentido, e até ouso dizer que o trabalho Neill Blomkamp foi um grande sucesso graças a colaboração artística, estética e por que não dizer gangster.

 

 

Crítica do Filme Chappie, Review da Zuêra!

Ninguém nasce mal, é o meio em que vivemos, convivemos e aprendemos que junto da nossa essência, faz de nós quem somos de verdade. No fundo porém todos nós desejamos as mesmas coisas, basta ter consciência correta, e aprender juntos o melhor.

 

 

 

 

Share
Seguir Luma Fachini:

desbravando, explorando e curiando, tornando o mundo cada dia mais meu.